Uso e manutenção dos colírios

Abaixo listamos alguns cuidados básicos e fundamentais para se obter o máximo proveito dos medicamentos de uso tópico na oftalmologia:

1-Não usar colírios sem orientação oftalmológica;
2-Verificar a data de validade dos frascos;
3-Deixar frascos fechados e ao abrigo da luz solar;
4-Lavar bem as mãos antes de usar os colírios;
5-Não encostar o frasco no cílios ;
6-Pingar apenas uma gota de cada vez, de preferência deitado(a);
7-Se houver tratamento combinado com mais de um medicamento respeitar o intervalo mínimo de 5 minutos entre eles;
8-Após administrar o medicamento deixar os olhos fechados por 5 minutos;
9-Após o término do tratamento desprezar o medicamento.

Glaucoma

Doença ocular causada principalmente pela elevação da pressão intraocular que provoca lesões no nervo óptico e, como consequência, comprometimento visual. Se não for tratado adequadamente, pode levar à cegueira.

Pacientes negros têm maior propensão a desenvolver pressão alta, bem pessoas com mais de 35 anos e os portadores de diabetes. O histórico familiar também é importante para o diagnóstico, pois cerca de 6% das pessoas com glaucoma já tiveram outro caso na família.

O glaucoma crônico – tipo mais comum da doença – exige o uso constante de colírios, porque não tem cura.

Para fazer o diagnostico correto, bem como para acompanhamento do tratamento, faz-se necessário a realização de exames complementares. A Campimetria Computadorizada avalia a perda de campo visual decorrente do glaucoma, através da Fotografia Estereoscópica de Papila podemos documentar o nervo óptico e a Tomografia de Coerência Óptica(OCT) permite avaliar com precisão a camada de fibras nervosas.