OUTUBRO ROSA

Nossa marca mudou de cor, mas é por um bom motivo. Vestimos a camisa do Outubro Rosa e deixamos aqui um recado para todos, mas principalmente para as mulheres.
Apesar de se manifestar muito mais acima dos 50 anos, existem casos entre os 40 e a última notícia – segundo especialistas – é que até antes dos 30 há probabilidade. Hereditariedade, hormônios e alimentação industrializada são alguns dos multifatores para o aparecimento do Câncer de Mama nas mulheres.
Então, vale lembrar a quem amamos da importância em se atentar aos sintomas e de se fazer o exame preventivo, sempre que possível.
A mulher precisa estar atenta a qualquer mudança no próprio corpo. Se saiu da normalidade, procure um médico.
Essa história pode ter um final bem mais feliz. Depende só de atitude.

CALOR CHEGANDO... CRIANÇADA LOUCA PRA IR PRA NATUREZA. Que bom. É ótimo incentivar essa ideia na cabeça dos filhos pequenos. Mas sabemos que os inimigos dos olhos estão em todo lugar. Quem nunca teve um encontro inusitado entre os olhos e a areia quando criança? É desesperador! Mas para nós, adultos, água e calma. Peça que seu filho pisque os olhos e enxágue-os com água até que não sinta mais nenhuma irritação. Repita, se preciso. No próximo dia fique atento - olhos vermelhos, doloridos e reclamação de visão embaçada - são sintomas de arranhões na córnea. Procure um médico oftalmologista o quanto antes.

OS OLHOS DAS CRIANÇAS E A AREIA.

CALOR CHEGANDO… CRIANÇADA LOUCA PRA IR PRA NATUREZA…
Que bom. É ótimo incentivar essa ideia na cabeça dos filhos pequenos. Mas sabemos que os inimigos dos olhos estão em todo lugar. Quem nunca teve um encontro inusitado entre os olhos e a areia quando criança? É desesperador!
Mas para nós, adultos, água e calma. Peça que seu filho pisque os olhos e enxágue-os com água até que não sinta mais nenhuma irritação. Repita, se preciso.
No próximo dia fique atento – olhos vermelhos, doloridos e reclamação de visão embaçada – são sintomas de arranhões na córnea. Procure um médico oftalmologista o quanto antes.

AÇÃO COM PROTEÇÃO.

Nosso órgão mais exposto precisa de proteção antes de qualquer adrenalina.
Os praticantes de esportes ao ar livre, principalmente os mais radicais, precisam ter isso em mente – óculos é EPI – não da pra sair de casa sem ele. Qualquer fragmento estranho – poeira, pedras, galhos – pode causar sérios danos para nossa visão. A alta luminosidade e o vento também são fatores que mexem com o funcionamento dos nossos olhos.
Seja um óculos de proteção ou um esportivo – de preferência de sol – não dá pra sair de casa sem ele.

Ainda é possível colocar grau nas lentes dos óculos de sol – dependendo da curvatura das mesmas.

Ação é ótimo. Com proteção, melhor ainda.

AUTOMEDICAÇÃO

Muitas pessoas recorrem à automedicação, mesmo sabendo do perigo iminente – em se falando da visão, pior ainda. Remédios não prescritos pelo médico oftalmologista podem causar novas doenças, mascarar sintomas da real moléstia ou não ter efeito nenhum. Colírios, por exemplo, que são largamente utilizados pela população, têm princípios ativos variados – como corticoides e antibióticos – que podem mascarar ou agravar algumas doenças oculares. Se a pessoa tiver outros problemas prévios, como glaucoma, o colírio pode agravá-los. Cremes e pomadas também devem ser prescritos pelo médico oftalmologista.
Sem orientação médica, a única coisa que se pode passar nos olhos é água limpa.

DIABETES X VISÃO

Não é de hoje que os diabéticos têm problemas de visão. É a chamada Retinopatia Diabética.
O açúcar no sangue em excesso pode provocar até a perda da visão.
É muito importante o diabético procurar o médico oftalmologista periodicamente, pois os sintomas podem ou não ser percebidos. Somente uma melhor avaliação do fundo de olho pode mostrar a verdadeira situação.
Nunca é demais dizer que o controle da glicemia e a adoção de hábitos saudáveis pode ajudar e muito o não aparecimento da doença precocemente.
Mesmo assim – ficar de olho é o melhor conselho.

ESPAÇO KIDS

Novidade no COBS. 
O ESPAÇO KIDS foi criado pensando na diversão das crianças e na comodidade dos pais. Assim, a energia deles vai para o lugar certo enquanto estão conosco.
Um lugarzinho especial que está dando muito certo, onde os pequenos ficam à vontade no seu mundo de brincadeiras e inocência.

A miopia pode ser hereditária ou adquirida

A questão aqui é deixar clara a contribuição dos celulares, tablets e computadores para a miopia infantil – um tema muito atual na oftalmologia e que vem atingindo nossas crianças precocemente.

Elas usam a tecnologia no seu dia a dia e a falta de regras/horários é o que afeta a sua visão. É importante ficar atento a distância visual das telas… tempo de utilização, entre outras considerações.

Na escola, é comum sentirem dificuldade de enxergar no quadro, inquietação, dores de cabeça. Aproximar-se demais das Tvs também é um sinal.

Fique atento.

A escolha de brinquedos seguros, que não causem problemas aos olhos, é uma preocupação para todos os pais

As crianças não nascem com o sistema visual completamente formado. À medida que elas vão se desenvolvendo, o sistema visual vai amadurecendo também. “O bebê apresenta a capacidade de perceber a luz já entre o sexto e o sétimo mês de desenvolvimento intrauterino que é quando as pálpebras ganham movimento. Quando nasce, consegue enxergar o que o rodeia bem de perto – entre 15 e 40 centímetros -, na forma de vultos enevoados, sem detalhes ou profundidade, e apenas distingue algumas cores, principalmente os tons fortes”, explica o oftalmologista Virgílio Centurion, diretor do IMO, Instituto de Moléstia Oculares.

No início da vida é como se os bebês vissem o mundo através de um vidro embaçado. À medida que crescem, a visão se desenvolve. É como andar ou falar, uma conquista gradativa, que depende de treino e do amadurecimento neurológico. As conexões da retina com a região do cérebro que recebe os impulsos da visão só ficam maduras por volta dos seis meses de idade.

Os principais avanços no desenvolvimento da visão ocorrem nos seis primeiros meses de vida. Aos dois meses, um bebê ainda não consegue distinguir bem um gato de uma criança que passa ao lado do seu carrinho. No sexto mês, ele já sabe a diferença entre um e outro. Nessa fase, ele começa a ver objetos em três dimensões e tem maior noção de espaço.

Segundo o oftalmologista, até o terceiro mês de vida, os bebês têm dificuldades para coordenar o alinhamento dos olhos, pois os nervos que comandos os movimentos oculares estão em desenvolvimento e devem completa-lo por volta dos 6 meses.

A visão é um dos primeiros sentidos que o bebê utiliza para interagir com a mãe. Além do choro, é pelo contato olho no olho que o bebê busca expressar o que está sentindo nos primeiros meses. É também pela visão que o bebê percebe que é igual às pessoas que o cercam, momento em que descobre a própria imagem no espelho, o que costuma ocorrer entre o primeiro e o segundo ano de vida.

Por volta dos dois anos de idade, a criança percebe o ambiento tal como um adulto, porém ainda não com toda a capacidade visual definida pois o desenvolvimento neurológico completo da visão só se dá entre seis e oito anos.

Ao longo do crescimento, as crianças são muito estimuladas visualmente. E nada estimula a visão de uma criança com mais facilidade do que um brinquedo. Por isto é importante ter em mente que no ambiente doméstico são mais comuns os traumas oculares em crianças provocados por objetos pontiagudos, substâncias químicas e brinquedos. Como a maioria das crianças passa uma grande parte do tempo brincando, os pais precisam se certificar de que estes brinquedos são seguros para a saúde em geral, bem como para a segurança dos olhos. Normalmente, quando os brinquedos não são seguros é porque eles não são adequados à idade da criança.

No caso de traumas oculares graves, cerca de 30% dos pacientes acabam com uma visão muito baixa ou subnormal, e isto corresponde, aproximadamente, a 10% de todo ferimento ocular em crianças. “A prevenção é o melhor tratamento para o traumatismo ocular infantil. Educação e orientação são fundamentais. Informar a sociedade, fiscalizar a indústria de brinquedos, utilizar equipamentos e medidas de prevenção como cintos de segurança, capacetes e eventualmente óculos de proteção podem contribuir na prevenção dos traumas oculares na infância.

Como escolher brinquedos seguros

Na hora de escolher um brinquedo, além de observar a indicação da idade, é preciso ter certeza que o brinquedo é seguro. “Por exemplo, partes bem pequenas podem ser encontradas em brinquedos rotulados para crianças acima de 3 anos de idade. Se a criança tem 4 anos de idade e ainda gosta de colocar as coisas na boca, esse brinquedo não é adequado para ela”, explica o oftalmologista;

O tamanho do brinquedo também é importante. “Se um brinquedo não é grande o suficiente para não caber dentro da boca de uma criança, você pode guardar este brinquedo até que seu filho fique mais velho”, recomenda o médico;

É importante certificar-se que os brinquedos foram construídos de forma robusta e que não vão quebrar ou desmontar com o uso. É aconselhável verificar se as tintas ou os acabamentos não são tóxicos e/ou susceptíveis a descamar;

Brinquedos de pelúcia devem ser laváveis ​​na máquina de lavar. E para as crianças mais novas devem ser feitos sem pedaços minúsculos e fáceis de retirar, como botões ou fitas;

É importante também evitar a compra de brinquedos com pontas ou pedaços afiados ou ásperos. Certifique-se de que os brinquedos com cabo longo – cavalo de pau, vassoura ou aspirador – tenham extremidades arredondadas e sempre supervisione de perto o uso de tais brinquedos pelas crianças;

Evite também comprar brinquedos que atiram objetos no ar – estilingues, armas de dardos ou flechas – para crianças menores de 6 anos. Sempre supervisione qualquer criança brincando com tais brinquedos;

Se a criança está brincando com um kit de química ou com ferramentas para trabalhar com madeira, forneça-lhe um par de óculos de segurança.

Autor: Dr. Fabio Pimenta de Moraes especialista em Oftalmo Pediátrico e Estrabismo.

Prevenir é a melhor opção

Quando falamos em prevenção é necessário ter atenção redobrada com as crianças, os cuidados também estão relacionados por faixa etária, as crianças requerem uma atenção redobrada na prevenção de acidentes oculares.

Vamos listar alguns cuidados essenciais para realizar no seu lar:

– Não permita que crianças brinquem com objetos pontudos.

– Não permita que animais de estimação (principalmente cachorros) cheguem perto do rosto de crianças pequenas.

– Ensine as crianças a não brincar de atirar objetos contra o rosto ou olho das pessoas.

– Mantenha longe do alcance das crianças os produtos de limpeza, evite guardá-los na parte de baixo dos armários.

– Orientar as crianças a não coçar os olhos repentinamente, pois a frequência pode facilitar o aparecimento de infeções, e o desenvolvimento de doenças oculares.

– Tomar cuidado com cigarro na boca dos adultos quando estes pegarem as crianças no colo, a proximidade pode causar queimadura ocular.

– Use protetor ocular ao cuidar de plantas e jardim.

– Proteja o rosto ao abrir garrafas.

– Na cozinha mantenha o cabo das panelas virado para dentro, para prevenir queimadura térmica ocular por líquido escaldante da panela.

 

É importante ter em mente que em caso de acidentes ocular é necessário buscar um profissional oftalmologista.

7 Doenças que podem ser detectadas com exames periódicos

Confira sete doenças que podem ser detectadas com exames periódicos.

1 – Ametropia: Erro de refração ocular, como miopia (não enxerga claramente de longe), hipermetropia (não enxerga claramente de perto) e astigmatismo (visão distorcida de longe e de perto).

2 – Catarata: É a opacificação do cristalino, que geralmente acontece após os 60 anos, mas algumas crianças podem já nascer com o problema. Todas as pessoas terão catarata algum dia, umas mais cedo e outras mais tarde. É um desgaste natural.

3 – Estrabismo: A criança pode nascer estrábica e, em alguns casos, isso tem relação com alguma doença ocular, como tumor e glaucoma congênito. Caso não cuide, o incômodo estético permanece, além da possibilidade de prejudicar a visão.

4 – Glaucoma: É o aumento da pressão nos olhos, que, se não for tratado, pode levar à perda gradual e irreversível da visão. Há a possibilidade de bebês nascerem com a doença. O tratamento consiste no uso de colírios.

5 – Leucocoria: O exame do reflexo vermelho possibilita a identificação do problema, que é o reflexo branco da pupila. Em crianças maiores, há a possibilidade de perceber o reflexo branco em fotos comuns. Se não tratar precocemente, há chances de levar à cegueira.

6 – Olho saltado: Há alguns motivos que podem fazer com que o olho se projete para fora. Entre eles estão doenças da tireoide e tumores. Se notar qualquer assimetria no tamanho e distância dos olhos, procure um médico.

7 – Olho seco: Pode estar associado à ametropias ou ao olho saltado, por exemplo, e consiste no ressecamento dos olhos, levando à vermelhidão e irritação crônica. Se não seguir as recomendações médicas, a pessoa pode desenvolver conjuntivite (inflamação na conjuntiva) e ceratite (inflamação da córnea).