VIAS LACRIMAIS OBSTRUÍDAS

Com o canal lacrimal entupido, as lágrimas não conseguem ser drenadas normalmente, levando a lacrimejamento e as vezes secreção e olhos irritados.
Esta condição é causada por obstrução parcial ou total do sistema de drenagem lacrimal.O bloqueio do canal lacrimal é comum em recém-nascidos. Esta condição normalmente melhora até o primeiro ano de idade sem nenhum tratamento ou as vezes com massagem do saco lacrimal. No adulto o bloqueio do canal lacrimal pode ser devido a um trauma, infecção, um tumor ou, na maioria das vezes, por causa desconhecida.
Quase sempre tratável, dependendo da causa e da idade do paciente. Pomadas e colírios lubrificantes podem aliviar um pouco os sintomas, mas na maior parte das vezes é necessário cirurgia para correção desta patologia.
Sintomas:
– Lacrimejamento, vermelhidão, inchaço, vermelhidão e dor no canto dos olhos próximo ao nariz ou as vezes abrangendo tanto a pálpebra superior quanto a inferior, infecções e irritações recorrentes nos olhos, pus (muitas vezes em grande quantidade nos olhos e nas pálpebras).
Caso sinta constantemente lacrimejamento com ou sem secreção nos olhos, marque uma consulta com seu médico oftalmologista o quanto antes.

O CARNAVAL PASSOU E A FANTASIA FICOU?

Melhor manter o bom humor em tudo na vida, mas o assunto é sério – PRÓTESE OCULAR.
Quase sempre recomendada após um olho ser removido cirurgicamente devido a lesão ou doença (trauma, glaucoma, infecção dentro do olho e tumores oculares).
A prótese ocular melhora a aparência do paciente e para a maioria das pessoas usar uma prótese é preferível a usar um tapa olho.
Ela não pode restaurar a visão – após a remoção do olho natural a pessoa não terá visão nesse olho. Sua maior missão é melhorar o aspecto facial do paciente, devolvendo parte do que foi perdido. As próteses têm cores e características próprias e são confeccionadas artesanalmente, levando-se em conta o desenho, posição e cores do olho natural do paciente.
O grande benefício é o paciente sentir-se devolvido integralmente à sociedade, com mais saúde física e psicológica e um inestimável ganho na autoestima.
Se você também precisa «abandonar a fantasia» procure o COBS – a gente pode te ajudar, e muito com isso.

OS OLHOS E A GRANDE FESTA

O melhor conselho seria:
– Compre um óculos de segurança. Mas daí é pedir demais, ainda mais no carnaval.
O que podemos alertar é a preocupação geral quanto aos olhos nessa época.No aglomero da festa, possíveis encontrões podem acontecer – além dos amorosos, lógico.
Uma pancada no olho pode resultar em problemas bem mais sérios, dependendo da intensidade do choque (se tiver baixa da visão associada, é bom procurar um oftalmologista com urgência).
Alergia à maquiagem, spray de espuma, glitter, pequenos corpos – como confetes e serpentinas são verdadeiros inimigos dos nossos olhos.Em todas essas situações, se possível, lave os olhos com soro fisiológico ou água à vontade, até melhorar o desconforto visual. Caso não resolva, oftalmo correndo!!!Tome cuidado para que a folia deixe na memória apenas boas recordações e se beber, não dirija.

VOLTA ÀS AULAS. CUIDADO COM OS LÁPIS E CANETAS!

A criançada está de volta às escolas! Lápis e canetas serão seus acompanhantes diários na classe. Pais, professores ou responsáveis devem estar atentos ao ambiente onde a criança vive, brinca e estuda. Os traumas oculares são variados, mas os lápis e canetas geralmente resultam em ferimentos na córnea. A grande maioria se resolve com tratamento clínico (vale lembrar que algumas alterações oculares como catarata, glaucoma ou descolamento de retina podem aparecer meses ou anos após o acidente). Nos traumas oculares graves, cerca de 30% dos pacientes ficam sem sua visão útil, e isto corresponde, aproximadamente, a 10% de todo ferimento ocular, em crianças.
Acontecendo algum acidente envolvendo lápis e canetas ou objetos pontiagudos, o caminho é um só – correr até um médico oftalmologista e ter um diagnóstico preciso e a melhor solução para esse momento.

CÍLIOS. OS NOSSOS SÃO OS MELHORES.

A NATUREZA É SÁBIA.
A altura normal dos cílios corresponde a um terço, mais ou menos, da altura dos olhos.
Isso permite que os cílios exerçam o papel de proteger os olhos da poluição e ainda evita a evaporação que pode levar ao ressecamento ocular. Da forma natura, o olho recebe ar e umidade na medida certa.
O uso excessivo de cílios mais longos e mais fartos pode comprometer a visão – impedindo a necessária circulação de ar e promovendo o ressecamento e a irritação dos olhos.

A EXTENSÃO DE CÍLIOS DEVE SER FEITA POR UM PROFISSIONAL GABARITADO.
Os usos errados da técnica e de materiais inadequados podem provocar graves alergias, a perda total dos cílios naturais e o comprometimento da visão. Os olhos começam a doer, lacrimejar e também existe a sensação de fotofobia – dificuldade de enxergar na claridade. Sinais que já são suficientes para uma ida ao oftalmologista. Inflamações nas pálpebras, reações alérgicas devido à cola usada… muitas complicações podem surgir quando esse procedimento não respeita todas as normas de biossegurança.

LENTES DE CONTATO – CUIDADOS IMPORTANTES

Soluções de limpeza impróprias, podem causar lesões nos olhos e danificar as lentes de contato.

Regra básica: mãos limpas e secas. Depois, esfregue as lentes suavemente para limpá-las individualmente e remover qualquer sujeira acumulada na superfície. Nesse momento use um pouco de solução de limpeza – indicada pelo seu oftalmologista. É importante usar somente produtos específicos para limpá-las, como soluções desinfetantes para lentes. Nunca as lave e nem as enxágue em água corrente, saliva, nem em outros produtos. Os micro-organismos da água podem causar infecções e danos à visão.
O estojo também merece atenção e cuidados. Lave-o sempre com uma solução fresca e deixe secar. Abasteça com uma nova solução antes de guardar as lentes.
Não coloque nada (como água de torneira) nas lentes. A solução de limpeza e colírios são as únicas exceções.
Não as use por mais tempo que você deve e nunca durma com suas lentes, pois isso vai deixar seus olhos secos e irritados.
Se tiver irritação mesmo depois de limpar cuidadosamente as lentes, pode ser que você tenha alergia à solução de limpeza. Entre em contato com o médico oftalmologista para trocar de solução.

FILTRO SOLAR E OS OLHOS

46% dos casos conjuntivite tóxica acontecem devido ao uso de filtro solar ao redor dos olhos. Proteger-se do sol é necessário, mas usar o protetor em excesso, unido à transpiração excessiva, favorece a penetração nos olhos e leva à doença. Algumas dicas:
– Evite excesso de filtro solar, bronzeador ou maquiagem;
– Proteja a região dos olhos com óculos solar que tenha filtro UVA e UVB;
– Lave os olhos em casos de penetração de substâncias químicas;
– Enxugue a transpiração ao redor dos olhos com toalhas descartáveis;
– Lave com freqüência o rosto e as mãos e evite coçar ou levar as mãos aos olhos;
– Não use colírios sem prescrição médica;
– Substitua as lentes de contato por óculos na piscina ou praia.

AS FRUTAS E OS OLHOS

Quem nunca ouviu a velha piada que pergunta:
– Porque o coelho não usa óculos? Pois bem, ela tem um fundo de verdade.
Determinados alimentos têm o poder de retardar ou ainda atenuar doenças oculares.
Cenouras e alimentos de cor laranja são ricos em Betacaroteno – um antioxidante natural e uma das formas indiretas de se obter a vitamina A que contribui com que a retina e outras partes do olho funcionem sem problemas. As frutas vermelhas e cítricas são ricas nessa vitamina que tem um papel fundamental na prevenção de doenças oculares, podendo prevenir e também impedir a progressão de doenças já instaladas, como o glaucoma. Então, não custa nada usar as frutas em benefício da visão. Ainda mais nessa época do ano, pois elas são fortes hidratantes e contribuem para nossa saúde de uma forma geral.

DMRI

 

DMRI – DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA À IDADE.
Conforme envelhecemos, a principal área da nossa retina – a Mácula – pode acabar degenerando-se. Nessa área central da retina vamos perdendo progressivamente a visão – detalhes e linha retas podem parecer ondulados.
O resultado visual final é muito semelhante ao observado nessa imagem comparativa.

Tais alterações podem ser identificadas pelo médico oftalmologista com o uso de instrumentos especializados durante o exame.
Suplementos dietéticos podem ajudar a retardar a progressão dessa doença.
Para algumas pessoas podem ser necessárias injeções no olho e tratamentos a laser.

A retina é a estrutura transparente, sensível à luz localizada na parte posterior do olho. A parte central da retina, denominada mácula, contém alta densidade de células fotorreceptoras. Essas células reproduzem as imagens visuais mais nítidas e são responsáveis pela visão central e a visão em cores.

A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a causa mais comum de perda irreversível da visão central nos idosos. É igualmente comum entre homens e mulheres e mais frequente na raça branca.

Fatores de risco:
Idade, histórico familiar, tabagismo, algumas anormalidades genéticas,
doença cardiovascular (como Aterosclerose), hipertensão, obesidade,
exposição ao sol, alimentação pobre em ácidos graxos ômega 3.

É sempre tempo de prevenir. Fique de olho e consulte um médico oftalmologista.

USO PROLONGADO DE LÂMPADAS LED PODE DANIFICAR A RETINA.

As lâmpadas LED são uma grande invenção que permitiram criar luz artificial com menos gasto energético e mais durabilidade. Mas, apesar de terem contribuído para preservar o meio-ambiente, pesquisadores alertam para o perigo que elas podem representar para a visão. Há cerca de duas semanas, a Agência Nacional de Segurança Sanitária, na França, publicou uma recomendação alertando para os riscos dessas lâmpadas para a saúde em caso de excesso de exposição.
Dois pontos essenciais são citados no documento: a toxicidade da luz chamada luz azul na retina e a perturbação do relógio biológico e do ciclo do sono, provocada pela exposição noturna, questão que já havia sido discutida em outro relatório, apresentado em 2010.
Mas, além disso, a exposição a longo prazo aumenta o risco de Degeneração Macular,  doença grave que provoca uma perda gradual da visão, devido a deterioração da porção central da retina. O risco maior, aponta o estudo, envolve o uso excessivo de celulares, computadores e tablets.
“Sabemos muito bem que a luz azul é muito energética, e que as células da retina terão dificuldades em gerenciar toda essa energia, comparada a uma luz menos potente. A questão é saber em qual medida isso poderia atingir o homem, e a partir de qual quantidade de exposição”, declarou.

Retina tem relógio biológico próprio.
Outra variável apontada foi como a luz afetava o ritmo circadiano, ou relógio biológico, da retina. “Os organismos na Terra foram submetidos a algo constante e importante que é a variação do Sol. Eles não funcionam da mesma maneira de dia e de noite. Da mesma maneira que a sensibilidade à luz muda, a fotossensibilidade também. De dia somos mais resistentes à luz do que noite.
Em resumo, essa é a primeira vez na história que o olho humano é submetido a uma de forte intensidade à noite, quando é mais fotossensível. Todos esses elementos, cruzados com diversos estudos, levaram o grupo de trabalho da agência francesa a pedir prudência com o uso da luz azul das LED.

Incidência precoce de doenças.
“O que pensamos, porque ainda não foi demonstrado, é que teremos uma incidência mais precoce de doenças ligadas à idade. Entre elas, a Degeneração Macular, mas essa afirmação, só poderá ser feita dentro de muitas décadas, depois da confirmação pelas pesquisas. A questão é que, na avaliação dos riscos, é preciso alertar a população sobre o problema. Pensamos que é necessário tomar precauções agora para evitar que dentro de 20 ou 30 anos tenhamos casos de Degeneração Macular aos 50 anos”.

Crianças são mais sensíveis.
Com o envelhecimento, o cristalino, que focaliza a luz que entra no olho e define a imagem formada na retina, se torna amarelo, absorvendo mais luz azul – é um processo fisiológico. Desta forma, a velha geração está mais protegida da luz azul das lâmpadas LED e telas em relação às crianças e adolescentes. “Nas crianças, toda essa luz azul emitida pelas LEDs vai passar na retina. Para as crianças é dramático. Por isso nas recomendações emitidas pela agência, que é preciso protegê-las”.
Para isso, é preciso priorizar lâmpadas quentes ou frias, evitar decoração com luz azul e diminuir à exposição às telas, que alteram o ritmo circadiano e afetam a retina – alerta a agência francesa. A pesquisadora também lembra que, quanto menor a superfície e a distância, maior a quantidade de luz.
Pela lógica, celulares são mais nocivos que tablets, PCs e TVs. Infelizmente, os filtros usados nos óculos para diminuir a absorção de luz azul são pouco eficazes, aponta o relatório. Outras recomendações são privilegiar luzes de temperatura de cores fracas, como amarelas e a iluminação indireta.